sábado, junho 01, 2013

Banda Alcaçuz - Teresina (PI), em entrevista para o projeto MIRC

No dia 25/05 foi realizado o 34º The Night Of Rock o evento contou com a presença da banda "Alcaçuz" que nos proporcionou um Rock de qualidade diretamente de Teresina (PI).
Em entrevista para o movimento a banda fala sobre a experiência de tocar em outros estados, parcerias e projetos futuros.


Projeto Mirc: - Vocês acham importante a iniciativa do grupo fora do eixo e coletivo entre pólos de fazer esse intercâmbio entre bandas? Em que vocês acham que isso pode enriquecer a banda?
Banda Alcaçuz: - Sim, é muito importante, principalmente para bandas independentes como a nossa, pois auxilia as bandas a circularem em outros locais, fora de sua cidade/estado. 
Enriquece no sentido de experiência e amadurecimento, pois tocar fora ajuda nesse sentido, além de também sabermos como nosso som funciona e como é a percepção de outros públicos em relação a nossa proposta musical, ainda mais que tocamos 100% autoral (muito raramente um cover, geralmente citações ou versões de influências nossas) o que é um desafio, fora que a intenção é alcançar o maior número de pessoas com a nossa música e nesse ponto essa iniciativa dos coletivos facilitam bastante esse intercâmbio, não só musical, mas cultural, é um belo trabalho, além de uma formação de rede de contatos com produtores (nosso amigo-produtor Romualdo e o coletivo Ocuparte) e bandas. 

Projeto Mirc: - O que vocês acharam de tocar no interior, existe público forte da cena Rock nesses locais, tanto quanto na capital?
Banda Alcaçuz: - Em todo lugar existe público para todo tipo de música, porém no interior, comparado a capital, esse público rock ainda é um pouco menor, por vários motivos, dentre eles um apelo maior de outros ritmos como o forró que as pessoas escutam desde criança, por exemplo. 
Mas atualmente, com a internet, o público rock no interior só aumentou e só tende a aumentar, sendo importante as bandas irem tocar no interior, é essencial para criar-se um público a longo prazo. 
É bem diferente tocar no interior, geralmente o público gosta mais de rock pesado ou rock roll clássico. 

Projeto Mirc: - O que vocês acharam da cena no estado do Ceará? É parecido com o público do Piauí?
Banda Alcaçuz: - Achamos a cena bem legal e organizada. Percebemos que há bandas de todos os estilos, uma cena hardcore bem produzida também, ficamos próximos do pessoal das bandas Amsterdã e Faina, em que queremos trazê-los a Teresina. De certa forma estamos inseridos nessa cena agora, pois pretendemos voltar outras vezes. Em relação ao público do Ceará, achamos bem receptivo com a gente e com o nosso som, nos shows as pessoas prestavam atenção e dava pra perceber que estavam curtindo, depois dos shows iam falar com a gente, comentavam algo, diziam que gostaram, que o show foi massa, foi foda, houve uma boa resposta a nossa banda. 
Em Teresina também há bandas de todos os estilos e um público de música autoral significativo, há movimentos também como o Autoral Rock, Rock na praça e outros, em relação a gente, achamos que conquistamos um público teresinense bem aos poucos, a passos pequenos, nesses últimos anos estamos tendo uma resposta maior, não foi logo de cara que conseguimos, mas há uma leve diferença entre os dois públicos, até por questões contextuais pra gente.

Projeto Mirc: -  Vocês gostaram de tocar pelo MIRC, gostaram do festival?
Banda Alcaçuz: - Gostamos muito! O festival estava bem estruturado, fomos bem recebidos e tratados, houve uma boa produção, tipo com holdings, cobertura via internet e tudo mais. É um festival muito massa e importante para a cena do Ceará/Fortaleza, e agora com os intercâmbios só irá enriquecer mais, ficamos muito alegres de termos sido a primeira banda de fora a tocar no festival, só temos a parabenizar o evento, e continuem em frente!

Projeto Mirc: - Quais os novos projetos pra banda vocês pretendem viajar pra outros locais?
Banda Alcaçuz: - Sim, a intenção é viajar sempre mais e mostrar nossa música ao maior número de pessoas e lugares. Tocamos recentemente no Festival de Inverno de Pedro II, aqui no Piauí, e também foi muito bom o show e a receptividade. Como projeto principal agora vamos gravar nosso primeiro disco profissional, possuímos duas demos (2009 e 2011) que estão na internet, se tudo correr certo no final do segundo semestre teremos o disco pronto, que terá músicas inéditas também. 

Projeto Mirc: - E a pergunta que não quer calar... qual o significado do nome Alcaçuz?
Banda Alcaçuz: - A palavra Alcaçuz é um doce americano, uma planta, uma marca de roupa (espero que não tenhamos problema com isso rsrsrs) e um presídio o qual aconteceu um massacre, não sabíamos nada disso antes. 
Antes da Alcaçuz eu (Pedro Ben) e Rafael tínhamos uma banda chamada Filosofia de Farmácia, quando acabamos a banda e decidimos iniciar uma outra, queríamos um nome curto e que chamasse atenção das pessoas, assim como Filosofia de Farmácia também causava curiosidade. Esse nome surgiu por acaso quando estávamos em busca de nomes, o Rafael que apresentou (há uma história censurada que não dá pra contar rsrsrs), de cara gostamos da sonoridade da palavra, foi escolhido, no começo houve uma resistência, que é até natural, e algumas pessoas que já conheciam e gostavam da gente como Filosofia de Farmácia, tem gente que até hoje nos chamam assim. 
Acho que o nome deu certo, a gente gosta. Então escolhemos por causa do doce e da sonoridade do nome, mas criamos um significado nosso do que é Alcaçuz = álcool + açúcar + cuscuz, em que cada integrante é um elemento, e as algumas letras das palavras formam o nome completo, mais uma brincadeira mesmo de marketing barato (risos).

Banda Alcaçuz:
Pedro Ben - Vocal e Guitarra
Javé Montuchô - Bateria
Rafael Ribeiro - Baixo

Contatos:  086 8888-0223/ 086 9919-4460

Por: Francis Helen
facebook.com/francis.helen.O.o